Acabôôôuôu, acabô

Tem essa música, né? pois é, entreguei a monografia ontem. Agora até posso falar de outros assuntos. Coisa mais chata só ter esse assunto para falar com os outros.

Ai… (suspiro) poderei escrever mais vezes aqui, ver mais seriados e filmes, ler mais – ah, ler mais (não que eu não tenha lido nesse tempo, muuuuuito pelo contrário) –, ver mais meu afilhado, os amigos, os parentes. Domir, como é bom dormir! Quem é o mal-domido que diz que é perda de tempo, hein?

Ainda falta a banca, claro. Mas isso é só um detalhe depois que o trabalho sai do forno e deixamos aquelas três cópias encadernadas na Fabico.

Anúncios

Música

Quer saber qual era o hit das paradas no dia do seu nascimento? Neste site, de Josh Hosler, dá para descobrir qual era a música mais tocada em todos os dias desde 1890. O banco musical é baseado nos registros da revista norte-americana Billboard. Abrange, portanto, apenas o que rolava nos EUA.

Em 19 de março de 1980, data de nascimento desta que vos escreve (ops! revelei a idade), a música mais tocada era Another Brick in the Wall, do Pink Floyd. Poderia ser melhor para uma fã incondicional deles?

24 Horas sem Dormir… ou A Lógica da Monografia

Em duas horas e 20 minutos eu fecho 24 horas sem dormir. E ficar sem dormir me faz chegar a conclusões fantásticas (menos aquela acadêmica, a que eu mais preciso no momento, digamos).

tomemos isso como serendipidade, tal qual Talese, em Fama e Anonimato. Ou Alexander Fleming, com a penicilina. Vamos a elas.

1) Se só é outro dia quando acorda, o que acontece quando a pessoa não dorme? acho que descobri a mágica de multiplicar as horas do dia.

2) A monografia anda bem mais rápido quando se pensa em tudo que se deixa de fazer por ela: ler livros não-técnicos (até Lair Ribeiro, se eu quiser), namorar, ver muitos episódios de One Tree Hill seguidos (um atrás do outro mesmo, até cansar)

3)  ficar sem dormir por causa da monografia dá barato. Otherwise, não estaria escrevendo esse monte de bobagens às 6h50min da manhã…

ok, peraí que eu vou ali fechar o olho e já volto

Cururuuuu

“às vezes aparecem surpresas na realidade como um furúnculo aparece na pele. Assim, de repente explode”.

Tive que ficar três anos longe da convivência das frases perspicazes do Samuel e agora o cara vai embora de novo. Não vai nem dar tempo de eu terminar minha monografia e aproveitar ele um pouquinho. Life is unfair, sometimes.

As partidas dóem sempre um tanto. Metade pelos que vão, metade pela que fica, sempre. Acho que eu precisava ter alguns furúnculos 😛