Nem só de cheiros é feita uma memória

livros_livres

Sempre falam dos cheiros. E dos sabores. Hiperlinks que vencem até os mais desmemoriados. Não tem jeito.

Também tenho meus cheiros. E meus sabores. E tenho meus livros.

Não lembro a história de todos eles. Mas lembro daquela baita dor de dente, em plena Patagônia chilena, que quase me desconcentrava de Adeus, Columbus, do Philip Roth.

Lembro de que a vida doía naquele exato momento em que lia Extremamente Alto, Incrivelmente Perto, do Jonathan Safran Foer. E nem era pela quase identificação com a história. A vida doía de não vida. De tudo poder acabar tão rápido quanto um ônibus que te leva ou um World Trade Center a cair. De vontade de fazer tudo ser bom imediatamente.

Pra quem a vida também dói aos 15 anos – e sempre dói nessa idade -, Os Sofrimentos do Jovem Werther, do Goethe, não pode ficar assim à mostra, na prateleira. Ainda bem que os 15 anos passam. E o romantismo, seja alemão, terceira geração ou de filosofia de bar, também.

Liberdade, aquele livro grosso e bem cotado do Jonathan Franzen, pesava na mochila. De tão bom, me transportava para um mundo bem além daquela sala de espera na UTI. Voltamos pra casa. O ex “comatoso” – essa palavra que tanto ouvi -, o livro e eu. “Ei, você que não me ouvia e agora fala sem parar, não quer ler Liberdade?”

E daquele Orwell a me mostrar tanto desapego, em Na Pior em Paris e em Londres, e também daquela vontade de fazer tudo ser bom imediatamente, sobrou também a cena do livro chegando às minhas mãos. Cheia de detalhes. E sobrou a dedicatória. Nada muito além disso. Mas tem uma vida para ser boa em 15 dias, três meses e um Natal, ou 52 anos. O importante é lembrar que precisa ser bom. Imediatamente.

Anúncios

Uma resposta em “Nem só de cheiros é feita uma memória

  1. Estava há um tempo sem visitar o seu blog, mas gostei de passar por aqui e ver referências a livros (e as suas lembranças deles). A minha lembrança do “Liberdade”, por coincidência, também é em uma viagem, dentro de um avião para ser mais específico. Também gosto muito mesmo do Philip Roth, mas devo criar meu próprio blog para falar das minhas experiências, não? rs. A idéia aqui é deixar um comentário sobre seus posts, então só vou dizer que gosto do que você escreve.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s