Viajar é também repensar e refazer

Nesse exato momento, estou na estação de trem de Oslo, esperando o trem para o aeroporto de Gardermoen, de onde pego o voo de volta para o Brasil. Tive problemas com a internet nos últimos dias. Vou soltando alguns relatos do resto da viagem aos poucos.

A decisão de me estender em Tromso, onde acabei ficando metade da viagem, resultou em eu desistir do arquipélago de Lofoten. E é com aperto no coração que deixo a Noruega sem ter ido às ilhas. Assim como não poder ter ido a Geiranger conferir o fiorde número um do país. De qualquer forma, cheguei a passar por duas cidades vizinhas: Andalsnes e Alesund, depois de uma longa e meio tensa viagem de trem partindo de Bodo, que ainda é acima do Círculo Polar Ártico. Era noite e ventava muito do lado de fora. Cheguei a ter um pesadelo em estilo meio casa de Doroty voando em O Mágico de Oz. O termômetro interno do vagão marcava -15°C do lado externo.

Por que essas cidades todas? Buenas, Bodo era de onde eu podia chegar a Lofoten, plano inicial. Mas acabou que eu só tive uma tarde ali e não tive como ir ao arquipélago. e também não podia seguir direto adiante, pois a compra de passagens de trem antecipada e a preços mais baratos implicam não possibilidade de remarcação ou de grana de volta. Pra não perder a grana, tive de manter o itinerário meio estranho.

Queria muito ver o Geirangerfjord, patrimônio listado pela Unesco e fiorde número 1 da Noruega. Pode-se chegar até a cidade por Andalsnes ou Alesund. Só Andalsnes tem estação de trem. Só Alesund tinha hostel HI aberto. Mais uma redução de tempo, mais uma atração que tive de deixar pra trás.

Mas enquanto achei Bodo bastante sem graça. Alesund valeu a curta estadia, mesmo com a frustração de não ver o Geirangerfjord. A cidade é bem bonitinha, com várias construções em art nouveau. O próprio hostel da HI fica em um deles. A parte central da cidade foi consumida por um incêndio no início do século anterior. O estilo era moda à época, e a reconstrução tomou carona nisso.

IMG_0549

Enfim, refazer o roteiro não chega a ser frustrante. É uma forma de aprender as possibilidades turísticas do país meio que na marra. Gosto disso. Hoje, se alguém me pergunta o que fazer por aqui, de tanto ler, quebrar a cabeça e estudar possibilidades, eu posso ajudar bastante.

Primeira e principal lição para quem vem para ver as “northern lights”. NUNCA reserve menos de cinco dias para isso.

E depois disso, próxima parada: Oslo, por trem novamente.

NORUEGA EM DROPS

* Nas primeiras cidades onde estive, descobri um ser em extinção: policiais. Em Tromso, só vi um carro policial no sétimo dia de viagem.

* Aqui, até a estadia em hostel não é das mais baratas. Aliás, é, sem dúvida, o país mais caro da Europa. Mas o bufê de café da manhã de alguns da linha HI por aqui chegam a ser melhores do que de muito hotel por aí. Obviamente, transformei na minha principal refeição do dia. No de Alesund, por exemplo, tinha até salmão cru. Mas eu segui emagrecendo, creio. Não consegui me pesar mais, mas as roupas “dançam” um pouco mais a cada dia.

* Por falar em salmão cru, esse país é ômega 3 na veia. E coisa boa o peixe aqui, vou te dizer.

* As pessoas quando são bonitas até enjoa de olhar. Exceto as crianças. Todas são lindas e eu não canso de bater foto delas em seus meigos modelitos de inverno ou brincando na neve.

IMG_0885

* Os noruegueses são mesmo meio fechadões, mas sempre de boa vontade quando perguntamos algo. E, realmente, quase todo mundo fala inglês aqui. Dificuldades maiores apenas com o pessoal mais velho. E olhe lá.

* Aficionados por Kit Kat, preciso informá-los: existe uma versão infinitamente melhor no mundo. Bem mais cara também. Tô pensando em levar daqui e pagar minhas dívidas de viagem vendendo pelo Brasil.

IMG_0811

Anúncios

Despedida de Tromso

Já não lembro mais se foi proposital. Acho até que não. Mas foi a primeira vez que eu passei meu aniversário totalmente sozinha e, ao mesmo tempo, tão longe. Foi estranho. Fez falta o pão de ló com recheio de leite condensado coberto por glacê da dona Marly. E o beijo de metade dos irmãos. E o xingão na outra metade que esqueceu. Metade nada. Porra, Cacau, tu tem de deixar de ser o único esquecido.

Pensei em me pagar uma boa janta nesse dia. Acabei me fartando em um kebab, o salvador de estômagos famintos all over the world. Nem foi pela grana. Mas marcava -5°C às 22h em Tromso, onde eu ainda estava, e ficou difícil de ficar procurando restaurante sem congelar.

No dia seguinte, quarta-feira, 20 de março, tinha decidido que ia tentar ver as luzes meio que por minha conta. Pesquisando, descobri que havia algumas opções. Uma delas era ir à área perto do Museu de Tromso e caminhar por zonas mais escuras ao redor. Outra era pegar um bus até Ersfjordbotn e ver por lá. A primeira, não muito eficiente, me disse o guia da Tourist Information. A segunda, talvez. Problema: pode fazer muito frio no local e o último bus parte cedo de volta a Tromso nessa época do ano. Então eu descobri que dava para fazer um percurso diferente: tomar um ônibus até Skjervoy e de lá pegar um barco da Hurtigruten de volta a Tromso. Essa empresa opera várias viagens por aqui, para quem quer ver os famosos fiordes noruegueses. Mas muitas dessas viagens só ocorrem no período de fim de abril a setembro ou outubro, devido ao inverno. Não era o caso dessa, por minha sorte.

“Eu recomendo muito essa viagem pra hoje”, disse o guia. “O barco passa por áreas realmente escuras, e o céu está sem nuvens”.

Fali mais um pouquinho, mas comprei o passe. A viagem é longa. Cerca de oito horas no total. Começando às 16h e terminando quase meia-noite. E congelante. Ficar do lado de fora do navio esperando ela dar as caras quase me deixou sem nariz, mãos e pés. Principalmente os pés.

Verdade é que ela não demorou a aparecer. E “dançou”. E ficou mais de hora aparecendo em um ponto, reaparecendo em outro. E eu nem aí para o frio. Quando percebi, já não sentia mais os pés e tive de entrar na parte interna do barco, com a aurora boreal ainda lá fora.

E dava para se deixar vencer pelo frio diante desse espetáculo, na minha última noite em Tromso?

IMG_0353

Virou festa

Dois dias nublados em sequência. Segunda-feira, bastante gente nas ruas. Tromso, uma ilha, é a cidade mais habitada ao norte do Círculo Polar Ártico. Moram aqui 70 mil pessoas, muitos universitários. Entre os ativos, o sol, que derreteu um tanto da neve que caiu na véspera. O chão ficou bem escorregadio, e eu, traumatizada de um belo tombo que tomei no sábado (mais detalhes em P.S.), dava voltas maiores para escapar das descidas mais íngremes.Isso porque eu precisava mudar de hotel. DE NOVO.

Então, o clima. Como disse Francesco, um dos guias da excursão para ver a aurora, a expedição é muito mais em busca de lugares onde o clima nos ajude a ver a aurora do que das luzes em si. As que vi ontem eram de atividade magnética muito anormal. Porém, sem nuvens no céu, seria praticamente um espetáculo. O que não foi o caso.

Por isso tudo, passei a monitorar também o site de tempo que mostra a nebulosidade do céu de hora em hora. E muda o tempo todo. Na véspera, apontava uns 80%. Hoje, às 16h, apontava 50%. Passei na agência de novo para perguntar quais as condições. Uma menina disse que a atividade da aurora estava muito baixa. Só que, mais cedo, não era isso que apontava o site de forecast. Fiquei meio cabreira. Quase não fui. Mas voltei lá e assinei, pela terceira vez, o cartão de embarque do bus rumo ao lugar de menor nebulosidade pesquisado pelos guias.

De novo, duas horas de viagem. No caminho, Francesco explicou que a atividade estava mesmo muito baixa. Como havia ocorrido uma tempestade solar em 15 de março, isso se refletiu na aurora por esses dias (leia mais aqui). Isso teria levado os sites de forecast a apontar atividade mais intensa. Lá pelas tantas, ele viu que estava aumentando para as próximas horas mesmo.

Mas todo mundo no ônibus já estava meio desesperançado. Chegamos a Skjold – o ponto de observação dessa noite – e pensei “bom, pelo menos está um céu de planetário”. E tava lindo mesmo.

Nenhuma nuvem em Skjold

Nenhuma nuvem em Skjold

Francesco, que antes de ser guia é fotógrafo profissional e toca paralelamente um projeto chamado Northern Shots, avisou: “Tem atividade aqui. Invisível a olho nu, mas a máquina fotográfica registra. E tem rosa também, não apenas verde”

Todo mundo virou os tripés para o mesmo ponto. Mas era algo realmente bem tímido.

Também em rosa por hoje

Também em rosa por hoje

Mas parecia que ia ficar por isso mesmo. E todo mundo foi se aquecer com chocolate quente e biscoitos (eu janto isso há três dias, mal posso ver à frente, por ora).

E aí, de repente, apareceu. Devagarinho, ficando mais forte. E o céu ficou tipo assim:

IMG_0240

E assim…

IMG_0241

… e mais um tanto…

IMG_0243

P.S.: o tal tombo. Voltava eu do outro lado da ilha, na ida ao funicular – aquele fechado, em manutenção. Com um mochilão nas costas, outro na frente e a câmera nova na mão direita (tinha acabado de tirar umas fotos), fui atravessar a rua e escorreguei bonito. Para salvar a Canon, caí todo o lado esquerdo. Sem luvas, queimei a mão (é, gelo queima mesmo) e ganhei uma bela dor muscular na coxa esquerda. Mas a câmera ficou inteirinha. Estão aí as fotos da aurora para comprovar 🙂

E, então, aconteceu

Tão lindo amanheceu o sábado. Depois de uma noite de sono meio estranha, com dificuldades para dormir em função das quatros horas a mais de fuso na Noruega, caí da cama – cara, mas muito boa. Apesar do sol, Tromso amanheceu branquinha e escorregadia, como comprovei algumas vezes durante o dia.

Amanhecer em Tromso

Amanhecer em Tromso

Mas não foi um dia com cara de férias e descanso. Como eu deixei para reservar os hotéis de ultima hora, não consegui marcar as três noites seguidas em um mesmo lugar. Por isso, tive de fazer o check out até meio-dia em um e depois ficar dando banda de mochila ate a hora do check in em outro, as 15h. Atravessei a ponte da cidade para conferir o cable car, que, dizem, dá uma bela visão da cidade. Por ali também fica a Arctic Cathedral. A igreja estava fechada, o cable car, em manutenção até maio. Começaram os azares do dia.

Consegui me proteger bem do frio, de maneira geral, exceto o rosto e o pequeno nariz, e eu fiquei com essa carinha de rena do nariz vermelho.

O frio queima mesmo, sabe?

O frio queima mesmo, sabe?

Depois de uma cochilada no novo hotel, acordei para a expedição que eu tinha agendado do Brasil para ver a aurora boreal. Como as luzes da cidade dificultam que a gente a veja, guias nos levam de bus até pontos afastados – e frios, bem frios – para tentar enxergá-la. But, Houston, we have a problem. Apesar de haver previsão de atividade moderada das tais luzes do norte, o tempo fechou e, com céu nublado, muito pouco se vê. Ou nada, como aconteceu, apesar de termos passado a noite rodando atrás de lugares com céu mais claro. Fomos até a fronteira com a Finlândia. Nada, a não ser escuridão e um frio de doer. Não consegui ficar muito tempo fora do ônibus, porque comecei a deixar de sentir os pés lá pelas tantas.

Frustrada, voltei para o hotel, mas decidida a repensar a vida. Só tinha mais uma noite em Tromso e, por fim, toda essa ideia doida de se meter onde o Diabo perdeu as botas tem um único motivo: ver a aurora. Mas e a grana pra ficar mais três noites onde todos os hotéis custam um rim? E para fazer mais dessas excursões? Mandei às favas. O cartão de crédito que me salve, em último caso, e comprometo o outro rim no IOF. Faz parte.

Depois de passar o dia cancelando reservas em hostel, remarcando passagem aérea e renovando pedidos de couchsurfing pelo site para tentar baratear a viagem, dei uma passada na agência da expedição para conferir a atividade da aurora para o dia, que não apenas seguia nublado, mas com muita queda de neve.

“A aurora está numa atividade quase anormal”, me disse o cara da agência. “Embora esteja nublado, é bem provável que se veja algo. Se tivesse céu totalmente claro, se poderia ver aqui da cidade mesmo, ali na rua”.

Achei que era papo. Disse que ia até o hotel e de lá decidiria o que fazer. E aí, catando na internet os sites de forecast, dei de cara com a palavra HIGH. Em caps lock e vermelho. Ok, não precisava mais pensar.

No caminho, os guias foram nos atualizando da atividade da aurora, que tem uma medida que vai de 1 a 10. Estava em 9,5, o que um deles classificou de “brutal activity”.

No local onde paramos para observar, estava totalmente nublado, mas havia previsão de limpar a partir das 21h. Câmera no tripé, ajustes manuais de abertura, exposição e foco feitos, tentava olhar para o céu, mas a neve caía forte nesse momento e entrava direto no meu olho. Quando, mais uma vez, deixei de sentir meus pés, resolvi que entraria no ônibus um bocado, para aquecer um pouquinho antes de voltar à jornada de São Tomé. Nesse instante, os guias estavam mesmo começando a servir chocolate quente e uns biscoitos. É bom, mas não duvidem, também extremamente complicado. As mãos realmente congelam na tirada das luvas para fazer qualquer coisa.

Entre um chocolate quente e outro, saltou do ônibus um dos guias:

“Guys! Northern lights, northern ligths over there!”

Minha "primeira" aurora

Minha “primeira” aurora

E todo mundo correu para o outro lado. Ela começou em pequenas linhas verdes no céu, nada sinuosas, quase invisíveis. Apesar da atividade intensa, ela não veio com força a maior parte do tempo. Ainda assim, quando os clarões verdes mais fortes se manifestaram, borrando o céu inadvertidamente, eu não segurei a onda. Chorei mesmo.

IMG_0163

Provavelmente me arrisque de novo em outra expedição para tentar ver as “luzes do norte”. Se as previsões forem boas, claro. Principalmente na terça-feira, dia de alcançar os 33 anos. Idade do juízo e de “sossegar o facho”, como pede minha mãe? Acho que não.

Nessa hora, ate esqueci do frio nos pes

Nessa hora, ate esqueci do frio nos pes

P.S.: o adaptador que eu trouxe nao serve para as tomadas da Noruega, entao estou sem usar meu proprio note. Sorry pela falta bizarra de acentos  (comprei nessa segunda-feira um adaptador e arrumei o texto)

P.S.: momento de terror e pânico: entrei no ônibus e não encontrava de jeito nenhum minha bolsinha com grana, passaporte, cartões, enfim, tudo de importante para minha sobrevivência. Avisei um dos guias, desci do bus e fui correndo na agência e perguntei se tinham visto algo. Lá estava ela, paradinha em um dos balcões. Noruega, minha gente, Noruega.

See you later alligator

O assunto não variou muito nos últimos quatro meses. Desculpa aos amigos que tiveram de conviver com uma versão um tanto monotemática de mim, que tanto falou dessa tal de aurora boreal nas semanas que vieram depois daquela noite em que eu simplesmente comprei uma passagem para a Noruega, em novembro. Como se fosse assim, ponte aérea de novela da Glória Perez.

Enfim, o dia de dar essa banda começa hoje. Serão umas 18 horas no total, saindo de Sampa, onde estou agora, rumo a Tromso, cidade que, no meu Lonely Planet Noruega, fica no capítulo The Far North (acima do Círculo Polar Ártico, traduzindo).

“Por quê?” era a reação de quatro a cada cinco. O que dá para responder? Não faço a mínima ideia. Teve esse dia que eu vi o relato de alguém que viu a aurora, procurei algumas fotos, vi alguns time-lapses e aí já era. Desde pequena, minha mãe me chama de “curió”, um adjetivo que eu não faço a mínima ideia de onde vem, mas que significa algo tipo um teimoso muito chato que, quando quer algo, dá um jeito de conseguir ou fazer. Não tem muito o que explicar. Basicamente é isso.

“Mas o que é a aurora?” foi a top second. Buenas, aí já dá para chutar menos e ser mais direta: tudo meio culpa do sol, ainda que seja à noite que se saia à cata dela. O que diz o site de turismo oficial do país:

“Durante grandes explosões e chamas solares, grande quantidade de partículas são jogadas para fora do sol e em espaço profundo.

Quando essas partículas se encontram com o escudo magnético da Terra, são levadas para um círculo em torno do polo norte magnético, onde interagem com as camadas superiores da atmosfera. A energia que é liberada são as luzes do norte.”

Como eu vou fazer para ver (não é um lance assim tão mel na chupeta) e outros detalhes   virão em posts na sequência, já que a ideia é mesmo relatar a viagem por aqui. Por ora, deixo vocês com a imagem da previsão de atividade da aurora boreal para 16 de março, dia principal da busca.

Sorte de viajante: atividade moderada em 16 de março

Sorte de viajante: atividade moderada em 16 de março

Fonte: http://www.gi.alaska.edu/AuroraForecast/Europe

Retomando a brincadeira

Tem uma saudade que tem me apertado o coração tanto quanto aquela de todos os lugares onde ainda não estive e todos os livros que ainda não li: escrever.

A ideia é me aproveitar do que começou com assuntos aleatórios, lá em 2006 (cruzes), para falar do meu bem-estar favorito: estar por aí. Até já tinha ensaiado focar no assunto quando fiz o trekking em Torres del Paine, no Chile, e a travessia rumo ao Salar de Uyuni, na Bolívia.

Nesse meio tempo, outra viagem apareceu pelo caminho, coisa loucas aconteceram, muita procrastinação tomou conta de mim, e tudo ficou só na memória. Foi buscando os termos de buscas no meu contador que eu vi o quanto palavras dos roteiros que fiz trazem leitores pra cá. Pensando nisso, talvez eu tente soltar uns drops de Nova York, São Francisco e Yosemite quando der.

Antes disso, a aurora boreal me espera. Ou melhor, parece que eu terei de sentar o corpinho no frio e esperar que ela seja gentil e apareça para mim, em março. A parte de fazer o roteiro, essa que é mais de 50% da diversão, tá na agenda das horas livres.